Portuguese version of HBR guest post: Boycott U.S. Tech Platforms Over PRISMGate? Um chamado ao boicote às plataformas de tecnologia norte-americanas sob vigilância das agências de segurança nacional dos US (thanks to Flavio Gut)

English version here.  Tradução: Flavio Gut (www.flaviogut.com) Twitter.

Download the PDF of the original English FuturistGerd.com post: PRISM Futures Ultimatum Gerd Leonhard 

Download this post as PDF: Portuguese version of HBR guest post Boycott U.S. Tech plataformas de tecnologia norte-americanas sob vigilância das agências de segurança nacional dos US (thanks to Flavio Gut)

PDF: A Call to Boycott U.S. Tech Platforms Over the NSA’s PRISM Surveillance – Gerd Leonhard – Harvard Business Review

PDF: GERMAN version: Ist es Zeit für einen Boykott wegen PRISM & NSA ? (Deutsche Version) – Futurist, Author and Keynote Speaker Gerd Leonhard

Here is a short podcast that I produced on this topic today (audio-only, MP3, 9MB)  or listen to this low-res version: Gerd Leonhard Futurist Podcast Comment PRISM NSA.

Note: this is not an exact translation of the HBR piece.

Um chamado ao boicote às plataformas de tecnologia norte-americanas sob vigilância das agências de segurança nacional dos Estados Unidos

O total desrespeito com que as agências de segurança dos Estados Unidos  violaram a confiança internacional vai obrigar os cidadãos do mundo a repensar ‘todas as coisas dos Estados Unidos’. Eu quero deixar  uma coisa perfeitamente clara: este artigo não é um ataque aos Estados Unidos, e minha mensagem não é anti-americana. Eu vivi nos Estados Unidos por quase 12 anos. Fiz faculdade em Boston (Berklee), os meus filhos são os dois cidadãos norte-americanos, bem como os cidadãos alemães, e nós temos profunda admiração por muitos costumes e características americanas, e também por pessoas e lugares.

Mas desde os acontecimentos de 11 de setembro, o governo dos Estados Unidos parece ter seguido por um caminho secreto (até recentemente) em direção a algum tipo de “totalitarismo digital”, com o aumento do desrespeito pela cultura e forma de pensar de outros países.

Os últimos acontecimentos em torno do programa PRISM e das operações de espionagem da NSA descobertos por Edward Snowden, na minha opinião, danificaram gravemente o frágil tecido do novo ecossistema global, do qual tão duramente dependemos para enfrentar coletivamente questões globais verdadeiramente urgentes, tais como energia, poluição, alimentos, mudanças climáticas, (cyber)  terrorismo e a desigualdade.

Sim, claro, com mais detalhes sobre as atividades de vigilância em massa da NSA vindo à luz, é também cada vez mais claro que, pelo menos, os outros membros da tribo de inteligência dos UKUSA – ou seja, o grupo dos ‘5 Olhos’ (os EUA, o Reino Unido, Nova Zelândia, Austrália, Canadá) estão praticamente fazendo a mesma coisa; com a Alemanha e a França não muito atrás. Mas como no coração deste conluio global para sugar cada bit de informação de centenas de milhões de cidadãos sob o pretexto de combater o crime e o terrorismo está o governo dos EUA, então deixe-me começar por aí.

As últimas semanas têm sido de mudança de jogo na relação EUA / Europa, com a Comissão Européia já insinuando a mudança dos centros de computação em nuvem para a Europa, muitos parlamentares  propondo a revisar os acordos comerciais internacionais e as práticas de troca de dados; e a chanceler alemã, Angela Merkel trazendo essas mesmas questões para o debate eleitoral em sua campanha pela reeleição. Não é na realidade o fato da vigilância ser real que assusta os europeus, mas a constatação de que, agora, todos, aparentemente, são um alvo legítimo – sim, espionamos, porque nós podemos!

Pouco está sendo feito pelo governo dos EUA para tratar das preocupações da Europa, e a maioria dos americanos parecem considerar todo este caso um não-problema  Veja o gráfico http://venturebeat.com/2013/06/12/eu-to-usa-wtf-is-prism/

Mas esse é um grande problema. E mais pessoas precisam entender o quanto grande esse problema é. Pra colocar isso num contexto mais amplo, vamos voltar a 1788 e dar uma olhada nas palavras de James Madison, quarto presidente dos Estados Unidos: “Há mais ocorrências da restrição da liberdade das pessoas por invasões graduais e silenciosas de quem está no poder do que por usurpações violentas e repentinas “.

O total desrespeito com o qual as agências dos Estados Unidos têm violado os mais básicos acordos internacionais sobre a segurança de dados, os direitos dos cidadãos e mesmo a  imunidade diplomática é muito preocupante, e em breve irá forçar as pessoas ao redor do mundo a repensar a nossa relação com ‘todas as coisas EUA’ – sejam elas o presidente Obama e o governo dos EUA, ou as companhias de telecomunicação norte-americanas, as empresas de tecnologia e plataformas de internet, como Google, Apple, Microsoft, Facebook, Amazon, Yahoo e até mesmo Dropbox.
Enquanto isso, o presidente Barack Obama parece feliz para presidir diante deste assunto orwelliano com um recém-descoberto desrespeito pelos direitos básicos de privacidade dos cidadãos, que ele mesmo havia expressado ser contrário com grande vigor em 2005 e 2007, quando ele ainda era apenas um senador (assista a esses vídeos do New York Times) . Isto é incrível – a vida é realmente mais estranha do que a ficção!

Vamos ser claros sobre isso: para os europeus, em particular, a mudança americana para uma política de “totalitarismo digital” sancionada pelo Estado terá um impacto significativo sobre se vamos fazer negócios com empresas norte-americanas de tecnologia, mídia, computação em nuvem, redes sociais, telecomunicações, comércio eletrônico ou “grandes dados”, pois aparentemente elas não podem fazer outra coisa senão cumprir as leis – e suas interpretações extremas – como elas são agora (ou seja, o Patriot Act, os tribunais FISA, etc).

Portanto, algumas das maiores empresas de comunicações digitais e tecnologia do mundo estão enfrentando um dilema perverso: elas devem cumprir as ordens do sistema de vigilância americano ou proteger seus usuários (metade dos quais nem sequer são cidadãos norte-americanos)?

A questão central é que, atualmente, todos os cidadãos não-americanos parecem não ter nenhuma proteção real, nenhum recurso, nenhuma fiscalização … nenhum poder, e nenhum direito. Isso é total e absolutamente inaceitável e não pode ser varrido para debaixo do tapete como se fosse algo banal e corriqueiro.

Claro, ações similares estão acontecendo na China e na Rússia, mas quem poderia pensar que o anteriormente alegado bastião da liberdade e independência, os Estados Unidos da América, recorreria a esse tipo de espionagem global? Isso está errado.

Creio que, se esta situação não for resolvida muito em breve, aos usuários não-americanos de internet restará apenas uma opção: algum tipo de boicote ou ‘greve’ – ou seja, a explícita não participação nessas plataformas e serviços que são sujeito à aplicação de leis totalitárias, como o Patriot Act dos EUA.

O futuro das empresas de tecnologia norte-americanas está em jogo aqui, bem como o futuro das relações EUA / UE.

Para reparar a situação, as principais empresas de tecnologia norte-americanas, lideradas pela Apple, Microsoft, Google, Yahoo e Facebook precisam:

1. Se posicionar inequivocamente ao lado de seus stakeholders reais – ou seja, seus usuários – e, especificamente, assegurar aos europeus que elas vão agir em nosso nome, e buscar nos proteger contra o abuso que veio à tona nas últimas semanas.
2. Desencadear uma forte campanha para pressionar o presidente Obama e o Congresso dos EUA a deter, de imediato, as atividades globais de vigilância em massa, e colocar em aprovação recurso adequado e mecanismos de reparação que estejam mais de acordo com as disposições da UE, ou seja, exigindo uma causa verdadeira para actividades de vigilância de dados e mandados individuais, bem como informar ao público sobre qual é o procedimento.
3. Persuadir o governo a concordar com um julgamento público de Edward Snowden que poderia ocorrer em um local neutro, como a Corte Internacional de Justiça em Haia.

O governo dos EUA precisa:

1. Reconhecer os erros e violações de direitos que ocorreram, uma vez que a vigilância em massa de cidadãos globais preocupa, e descobrir todas as instâncias adicionais onde esse tipo de prática foi utilizada. Demitir o Diretor de Inteligência Nacional (James Clapper) parece ser mais um passo para a resolução plausível, assim, dado o fato de que ele praticamente mentiu ao Congresso.
2. Interromper imediatamente a prática de espionagem de cidadãos globais sem mandados individuais, que, caso necessário, seriam expedidos apenas em estrita congruência com as leis e regulamentos internacionais
3. Concordar com um julgamento justo, público e aberto de Edward Snowden (veja acima).
Se nenhuma ação nesse sentido for tomada, eu acho que a comunidade internacional e os utilizadores de tecnologias americanas e plataformas de internet não terão outra escolha a não ser considerar tomar medidas sérias e, possivelmente, muito dramáticas para se proteger contra essa ‘deformada vigilância totalitária “.

Algumas dessas ações para a comunidade internacional poderão incluir:

1. Temporariamente suspender os programas de intercâmbio de dados UE-EUA para viajantes (PNR e TFTP), o que poderia levar a uma perturbação significativa do tráfego aéreo comercial entre os EUA e a Europa (a revisão já estava prevista antes do caso Snowden e já está em andamento em da Comissão).
2. Cortar ou reduzir significativamente os laços com portais de internet e provedores de serviço norte-americanos e transferir os negócios para os fornecedores com base em outros países que estejam sujeitos às leis internacionais e de supervisão explícita (ou seja, que possam garantir que os processos e salvaguardas adequadas estão em vigor). Por extensão, isso também diz respeito ao resto do grupo “5 Olhos”, ou seja, o Reino Unido, Canadá, Austrália e Nova Zelândia.
3. Interromper ou mesmo suspender definitivamente as discussões atuais do acordo de livre comércio transatlântico (Trans-Atlantic Free Trade Agreement) até que essas demandas, acima, sejam cumpridas. Sim, eu sei, isso pode ser muito doloroso para alguns países da UE, mas … será que eles preferem enfentar os ‘efeitos colaterais’ agora ou tomar uma atitude coletiva para resolver possíveis problemas de longo prazo?
4. Abrir ou expandir as instalações de computação em nuvem na Europa (Luxemburgo e Suíça parece ser bons locais) e ao redor do mundo. Até agora, os fornecedores norte-americanos têm dominado o negócio global em nuvem, em razão de sua  rápida capacidade de inovação e grandes investimentos neste setor – A Europa precisa recuperar o atraso com urgência.
5. Como os consumidores globais, nós só precisamos parar de usar os serviços baseados nos Estados Unidos que não cumprem voluntariamente as normas internacionais de proteção de dados.
6. Oferecer a Edward Snowden um local de julgamento supervisionado pelas Nações Unidas e algum tipo de asilo para ele, talvez na UE.

Este é um momento para mudar o jogo, e é hora de cidadãos globais agir. América: nós te amamos, mas já chega!

Many thanks  to Flavio Gut (www.flaviogut.com) Twitter.

This post has already been read 1918 times!

comments powered by Disqus
Top
MENU

Futurist Gerd Leonhard

X

Futurist Gerd's Personal Newsletter

×